Envie seu whats:
(54) 99664-0955

MEGA NEWS Ver +


Estudo comprova que a autoestima da grávida reflete na relação com o bebêEstudo comprova que a autoestima da grávida reflete na relação com o bebê

Compartilhe:
Publicado em 09/08/2019, Por M de Mulher

O Projeto Aconchego, uma pesquisa realizada durante três anos com 523 grávidas e 211 parceiros, provou que quanto maior a autoestima da mulher durante a gravidez, maior será o vínculo que ela terá com seu bebê no futuro. A autoestima também reflete na redução dos níveis de estresse, depressão e ansiedade e melhora a qualidade do sono da mãe.

O estudo mapeou o quanto a mulher se sentia bonita durante a gravidez, suas emoções, o vínculo com o bebê e a percepção de beleza de seus parceiros em diferentes trimestres e no início do pós-parto.

A ansiedade das mulheres tende a subir ao longo da gestação, alcançando níveis até quatro vezes maiores após o nascimento do bebê. “Percebemos que a ansiedade é tão recorrente quanto a depressão e que a percepção de felicidade do homem caminha junto com a da mulher. Quando ela abaixa, ele acompanha”, conta Eduardo Zlotnik, ginecologista e obstetra e vice-presidente do Hospital Albert Einstein.

Segundo Eduardo, a conduta médica ensinada na faculdade deve mudar para que os médicos consigam perceber outros sintomas nas gestantes, principalmente relacionados ao psicológico, e sugerir o tratamento adequado.

O resultado em relação aos parceiros foi que o vínculo entre o casal fica mais fraco no primeiro trimestre da gravidez, mas aumenta no começo do pós-parto. Também foi comprovado que quanto mais pessoas da família estão envolvidas na criação da criança, o vínculo da mãe com o filho será maior.

“O vínculo é essencial para determinar o que a pessoa vai ser no futuro. Ele também determina como será a relação dessa criança com ela mesma e com os outros no futuro. Quanto mais bem cuidada, melhor ela saberá cuidar de si mesma”, diz Daniela Becker, especialista em desenvolvimento de marcas da Natura.

O Projeto Aconchego ouviu gestantes das classes A, B e C nos hospitais Albert Einstein, Vila Santa Catarina e em UBS (unidade Básica de Saúde. A pesquisa foi promovida pela área de Ciências e Bem-estar da Natura, em parceria com o Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein.

(FOTO: JAMIE GRILL/GETTY IMAGES)