Envie seu whats:
(54) 99664-0955

MEGA NEWS Ver +


Cachorros aprenderam a fazer “cara de dó” com a evolução, aponta estudoCachorros aprenderam a fazer “cara de dó” com a evolução, aponta estudo

Compartilhe:
Publicado em 02/08/2019, Por Hypeness

Os cachorros parecem saber o efeito que suas expressões faciais provocam em nós, humanos – especialmente quando levantam as sobrancelhas, em feição semelhante ao que as pessoas fazem quando estão tristes. Trata-se de uma expressão irresistível, e que de fato não se dá por acaso: cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Howard, nos EUA, comprovaram que, para reforçar laços com os seres humanos e provocar afeição e empatia na relação entre as pessoas e os cães, nossos melhores amigos do reino animal desenvolveram, ao longo da evolução, novos músculos ao redor dos olhos.

O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, e confirma que os músculos do focinho dos cachorros foi sendo adaptada e redesenhada para melhorar a comunicação facial com os seres humanos. “O processo de domesticação transformou lobos em cães e mudou os seus comportamentos e anatomia”, afirma o estudo. Além da capacidade de expressar sentimentos de forma mais clara, outro ponto determinante foi a adaptação para compreender os sinais humanos como nenhum outro animal é capaz.

A pesquisa comparou focinhos dissecados de cães e lobos, também quantificando as capacidades de movimentos faciais de lobos que vivem em abrigos ingleses, através de interações com pessoas. A musculatura de ambos animais é bastante similar, a não ser justamente pelos músculos ao redor dos olhos: os cães são capazes de expressar, especialmente levantando as sobrancelhas, de forma que os lobos não conseguem – “uma diferença curiosa para espécies que estão separadas apenas por 33 mil anos”, diz o estudo. O contato visual é o que faz com que os cães confirmem que certa interação é de fato dirigida a ele, além de estimular e confirmar o vínculo.

FOTO: No lado esquerdo do desenho, o focinho de um cão (com os músculos exclusivos em destaque); à direita, o focinho de um lobo.