Envie seu whats:
(54) 99664-0955

MEGA NEWS Ver +


Inverno será marcado pela oscilação entre dias frios e quentesInverno será marcado pela oscilação entre dias frios e quentes

Compartilhe:
Publicado em 21/06/2019, Por GaúchaZH

O inverno que começou nesta sexta-feira (21), às 12h54, terá temperaturas mais baixas na comparação com a estação no ano passado. Porém, os termômetros oscilam bastante quando são colocados lado a lado os prognósticos de médias para os meses de julho, agosto e setembro e suas respectivas médias históricas.

O primeiro final de semana será de tempo bom em todo o Estado, como aponta a previsão do tempo. Já o mês de julho será mais frio do que a média geral do Rio Grande do Sul, que varia entre mínima de 15°C e máxima de 24°C. A expectativa é de que os termômetros marquem média mínima que fique próxima dos  12°C e 15°C e máximas que oscilem entre os 18°C e 21°C. Agosto, que historicamente tem mínima de 10°C e máxima de 20°C, apresentará dias bem mais frios. Os prognósticos apontam que as médias mínimas para o Estado serão de 6°C a 9°C, já as máximas ficarão na casa dos 15°C e 18°C neste mês.

Em setembro, as médias devem ficar próximas dos  9°C e 12°C e as máximas dos 18°C e 21°C. Neste mesmo mês do ano passado, as menores temperaturas registradas estavam na casa dos 12°C e 16°C e as máximas variavam entre 20°C e 22°C.  

O meteorologista Lucas Cantos, da Somar, explica que os períodos de frio, apesar de garantidos, não serão prolongados.

— Assim que eles chegam, logo em seguida, dão espaço a novas frentes de dias mais agradáveis. Os dias mais típicos de inverno vão acontecer, mas não com intensidade — pontua o meteorologista. 

A explicação para a oscilação nas temperaturas é creditada ao El Niño. Este fenômeno provoca o aquecimento anômalo das águas do Oceano Pacífico. Quando ele entra em ação, o centro do oceano fica aquecido e as temperaturas se elevam, explica Cantos.

— A questão é que este ano o El Niño estará mais fraco quando comparado com 2018. Por isso, teremos a sensação de calor em alguns momentos, mas não como foi observado no ano passado — diz Cantos.